Home / Falando Curto e Grosso / Falando Curto e Grosso sobre “As Vantagens de Ser Invisível”

Falando Curto e Grosso sobre “As Vantagens de Ser Invisível”


As-Vantagens-de-ser-Invisivel-poster-nacionalCuriosamente, o escritor americano Stephen Chbosky, autor do livro de sucesso The Perks of Being a Wallfower, como já foi feito por outras vezes, havia sido contratado para escrever o roteiro da adaptação cinematográfica de sua obra literária. A intenção do estúdio não era que ele dirigisse o filme, afinal, o sujeito não tinha a mínima experiência atrás das câmeras, a não ser por um curta-metragem de 1995. No entanto, devemos lembrar que Hollywood costuma apostar em nomes novos, até mesmo para filmes que passam longe do baixo orçamento, e assim, Chbosky assumiu a tutela na direção de seu próprio texto.

A trama de As Vantagens de Ser Invisível não define especificamente a sua época, mas com o uso de fitas cassete pelos personagens para montarem trilhas sonoras pessoais e o descaso pelo som do CD, é bem provável que a história se situe no final dos 80 e começo dos 90.

Nosso protagonista, e por quem através dos seus olhos vamos ser levados pelos fatos, é o jovem Charlie (Logan Lerman). Um garoto talentoso com a escrita, de boa família, com dois irmãos mais velhos e pais preocupados, mas introspectivo, praticamente sem amigos e que teme pela sua entrada no colegial. Seus primeiros dias são solitários e para aliviar suas frustrações, ele recorre a um diário bem pessoal, que chama de querido amigo, aonde também vamos conhecendo suas principais reminiscências. Embora se mantenha alheio às principais preocupações corriqueiras do colegial, como festas e meninas, Charlie percebe a necessidade de fazer amigos e não demora até que conheça o divertido Patrick (Ezra Miller) e, sua meia-irmã, a apaixonante Sam (Emma Watson).

O casal de irmãos, ainda que festeiros, não chegam a serem os mais populares do colégio, mas também passam longe de serem os nerds ou algo parecido. Na verdade, eles tentam fugir de rótulos, mas no colegial é difícil não ser rotulado e por assim dizer, eles estariam mais para os descolados ou deslocados. A amizade à primeira vista entre ambos fará com que Charlie descubra novas perspectivas sobre a vida, amor, arte e também impulsionará a sua saída de um problemático casulo psicológico armado desde a morte de sua tia, ainda na infância.

Além do forte elo firmado entre a trinca de protagonistas, o relacionamento distanciado, mas valoroso e cheio de uma afeição contida entre o jovem e seu professor, interpretado com eficiência por Paul Rudd, também é um dos pontos altos de uma narrativa que preza pela sinceridade, sem nunca apostar em soluções tão obvias ou clichês utilizados sem critério. Sim, As Vantagens de Ser Invisível têm seus “lugares comuns”, mas são colocados de maneira singela, sensível, e bem aproveitados, que somente engrandecem a obra.

Indo à contramão do que pode ser esperar de um diretor estreante, Stephen Chbosky demonstra certo talento de ordem estética, como quando entrecorta seqüências com vistosas elipses e omite fatos importantes, para depois os trazer em edições poderosas e reveladoras. A trilha sonora pop, com canções de The Smiths, New Order, Sonic Youth, David Bowie e algumas do musical Rocky Horror Picture Show, pontuam com muita propriedade os momentos mais ternos, melancólicos, divertidos, românticos e viscerais da trama.

Verdade também que as atuações de Logan Lerman, Emma Watson e Ezra Miller são a força motriz de As Vantagens de Ser Invisível. O jovem Lerman, com seu visual de bom menino, consegue trazer com naturalidade o conflito que veste seu caráter, assim como ele é a ternura em pessoa, em questão de momentos pode surgir um monstro adormecido que habita seu íntimo. A inglesa Emma Watson enche a tela de charme e elegância, mesmo interpretando uma personagem que passa longe do que chamamos de “princesinha”. Já Ezra Miller, que havia brilhado no contundente Precisamos Falar sobre o Kevin, entrega uma atuação categórica como o gay Patrick, um rapaz sonhador que vive um amor às escondidas.

Em um primeiro momento, As Vantagens de Ser Invisível, até pela premissa elucidando uma obra de aspectos juvenis, deve gerar sua parcela de preconceito. No entanto, quem se dispor a transcender essas cismas e der uma chance a esse belo, sensível e reflexivo trabalho, poderá perceber o quanto à obra traz temáticas relevantes. Ainda existem pontos cruciais na trama, tratados com toda a delicadeza pela narrativa, que estão omitidos da resenha para que o amigo leitor tenha suas surpresas e considerações próprias.

As Vantagens de Ser Invisível é um filme adorável, melancólico, sincero e também inspirador. Afinal, somente os bons filmes fazem com que o espectador mantenha-se estático em sua poltrona, vendo os créditos subirem, enquanto deseja continuar com aqueles personagens, que acabou de conhecer, mesmo que apenas mais um pouquinho.

Classificação: EXCELENTE

[youtube video=”qhROvhrY1Xg” width=”600″]

Já disponível em DVD e Blu-Ray para locação.

O livro em promoção por R$20,50 na Saraiva http://el2.me/H0av.

As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower)

Sinopse: Filme conta a história de um adolescente não popular, em 1991, que através de uma série de cartas anonimas a uma pessoa, explora sua estranha adolescência, incluindo uso de drogas, abuso e sexualidade.
Direção: Stephen Chbosky
Elenco: Paul Rudd, Emma Watson, Logan Lerman, Nina Dobrev, Mae Whitman, Melanie Lynskey, Ezra Miller, Kate Walsh, Dylan McDermott, Johnny Simmons, Nicholas Braun.
Gênero: Drama
Duração: 103 min.
Distribuidora:  Paris Filmes
 

Sobre Marcio Tarantino

Veja também:

Tempestade

Tempestade – Planeta em fúria é filme B com cara de A

Um filme B com cara de A: Tempestade – Planeta em fúria é um filme que traz o tema aquecimento global e o fim do planeta, de novo.