Home / Falando Curto e Grosso / Falando Curto e Grosso sobre “Até que a sorte nos separe”

Falando Curto e Grosso sobre “Até que a sorte nos separe”


O talento das comédias brasileiras se limita a provocar duas risadas: uma de arrependimento por assisti-las e outra de vergonha alheia, dependendo do quanto você pagou por isso, não exatamente nessa ordem.

Como praga que se alastra pelos campos, a mediocridade do humor brasileiro tomou conta das telas. Os números das bilheterias encobrem, enganam e, pior, alimentam produções cinematográficas de nível precário, grande parte delas inspirada em programas televisivos como Pânico e CQC.

Costuma-se erguer louros ao papel social que a televisão cumpre, apontando-a como a principal responsável pela articulação cultural de um país de grandes dimensões. O que não está de todo errado oculta, porém, o viés da massificação do gosto e da centralidade da informação.

Se a culpa está no sofá ou por detrás da imagem, não cabe discutir aqui. O importante é que a postura a crítica está na base do problema a legitimar uma série de filmes na toada de Muita calma nessa hora (Felipe Joffily, 2010), As Aventuras de Agamenon, O Repórter (Victor Lopes, 2012) e Totalmente Inocentes (Rodrigo Bittencourt, 2012).

Em tese, quem gosta de ser surpreendido deve arriscar. No caso de Até que a sorte nos separe, a aposta não seria às cegas. Longe da inexperiência de um Victor Lopes ou de um Rodrigo Bittencourt, bastaria saber se Roberto Santucci repetiria o competente Bellini e a Esfinge (2002) ou o fraco De Pernas pro Ar (2010).

Sem inspiração e com momentos de exploração descomedida das habilidades de Hassum, o filme empilha piada sobre piada, sem empolgar. A expectativa sobre Santucci talvez tenha sido ainda pior, pois seu filme segue a trajetória ingrata dos antecessores, unindo-se a um mar de frivolidades.

Pelo menos Até que a sorte nos separe evita referências apelativas. O que, diante da situação atual, o dignifica. Dos males, o menor.

Classificação: REGULAR

 [youtube http://www.youtube.com/watch?v=dAnzuTb-A8k]

 

Até que a sorte nos separe

Sinopse: Um pai de família de classe media vê sua vida e seu casamento transformados após ganhar na loteria e perder todo o dinheiro.
Direção: Roberto Santucci
Elenco: Leandro Hassum, Danielle Winits, Kiko Mascarenhas, Rita Elmôr, Aílton Graça.
Gênero: Comédia
Duração: 100 min.
Distribuidora: Paris Filmes
 

* Curto e Grosso é a seção da Central 42 dos reviews de filmes e séries, apresentados de uma maneira rápida, direta e sem muito blá blá blá.

 

Sobre Marcio Tarantino

Veja também:

Blade Runner 2049

Blade Runner 2049 – Denis Villeneuve honrou a obra de Ridley Scott?

Blade Runner 2049 é a continuação do filme que há 35 anos foi gravado por Ridley Scott e, agora, pelo diretor canadense Denis Villeneuve