Home / Falando Curto e Grosso / Falando Curto e Grosso sobre “O Legado Bourne”

Falando Curto e Grosso sobre “O Legado Bourne”


A Identidade Bourne”, “A Supremacia Bourne” e “O Ultimato Bourne” formam juntos uma das melhores franquias de ação de todos os tempos. A trilogia, estrelada originalmente por Matt Damon, se encerraria em 2007 e, naquela época, o diretor Paul Greengrass deixava bem claro que encerrava uma trama e qualquer novidade seria algo paralelo aos acontecimentos.

Confirmando este pensamento, o roteirista Tony Gilroy, decidiu aproveitar o “mundo” criado em torno de Bourne para expandir os fatos e partir da premissa de que existem mais membros no programa do governo.

A nova trama gira em torno de Aaron Cross, um agente que fez parte do misterioso programa chamado Treadstone e passou pelo mesmo tipo de recrutamento de Bourne. Os problemas causados com Bourne fazem com que o governo decida limpar todos os agentes deste programa, mas não conseguem se livrar de Cross, que se une a médica Marta, mais uma que deveria ser assassina, e parte em busca de respostas e em uma jornada de sobrevivência.

Por um momento achei que iria conferir apenas uma nova roupagem de Identidade Bourne, quando teríamos um antigo membro em busca de respostas e causando enormes problemas para o governo. Mas os acontecimentos vão além e boa parte do filme segue na intenção de recolocar o espectador ao universo da franquia, apresentando novos fatos, como, por exemplo, a forma com que os agentes eram aperfeiçoados e o motivo deles terem essa força fora do comum.

É exatamente deste pressuposto que surge a grande diferença entre os diretores e as produções. Gilroy torna a narrativa mais lenta e trabalha mais o lado de espionagem e diálogos. A ação está presente, mas já não é o ponto forte do longa. Outra mudança está nas características do protagonista, que se torna um ser mais social e comunicativo, deixando de ser simplesmente uma máquina de guerra.

Um ponto muito positivo é a presença de Jeremy Renner como protagonista. O ator pouco a pouco vai mostrando todo o seu talento, que despontou junto ao filme Guerra ao Terror, ganhador do Oscar de seu ano. Renner já esteve atuando bem nos filmes Os Vingadores e Atração Perigosa, e agora chega a ser cogitado como futuro protagonista de Missão Impossível, depois de sua bela participação no quinto filme da série. Já é comprovado que sua veia para a ação é firme e competente.

Rachel Weisz consegue acompanhar e não compromete em sua interpretação, mas não chega a nada notável. Edward Norton é outro que aparece bem, mas ainda não teve muito espaço para brilhar. Aguardamos que nas sequências ele apresente todo seu talento.

Posso dizer que confesso estar surpreso com a condução que deram ao filme. Está nítido que haverá uma continuação e torço para que haja um encontro entre Damon e Renner, pois seria incrível.

Aproveito a oportunidade para dizer que é bom, apesar de não atrapalhar muito, dar uma revisitada nos filmes anteriores, pois o longa faz questão de estar no mesmo ambiente e lembrar fatos do passado.

O Legado Bourne é a grata surpresa do ano até o momento.

Classificação: ÓTIMO

[youtube http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=zHZW8uiwAnY]

O Legado Bourne (The Legacy Bourne)

Sinopse: O filme traz uma história protagonizada por outro agente secreto, mas que envolve parte das tramas políticas e o programa da CIA que levaram aos eventos retratados em “A Identidade Bourne” e nos dois filmes seguintes.
Direção: Tony Gilroy
Elenco: Jeremy Renner, Rachel Weisz, Edward Norton, Stacy Keach, Oscar Isaac, Albert Finney, Joan Allen, David Strathairn, Scott Glenn.
Gênero: Ação
Duração: 135 min.
Distribuidora: Warner Bros.
 
* Curto e Grosso é a seção da Central 42 dos reviews de filmes e séries, apresentados de uma maneira rápida, direta e sem muito blá blá blá.
 
Lista de Posts recentes:
[PTP]posts[/PTP]
 

Sobre Marcio Tarantino

Veja também:

Formidável

Formidável, o título perfeito para o novo filme de Michel Hazanivicius

Formidável é um dos filmes mais gostosos que vi este ano. É filme que veria novamente e é daqueles filmes que dá vontade de ter participado.