Home / Falando Curto e Grosso / Falando Curto e Grosso sobre “Se Beber, Não Case! Parte 3”

Falando Curto e Grosso sobre “Se Beber, Não Case! Parte 3”


Se Beber, Nao Case Parte III

Um filme de ação travestido de comédia? Ou um filme de comédia disfarçado de ação?

Essa foi uma das considerações ventiladas através do ensaiado discurso de divulgação dessa terceira (e aparentemente última) incursão cinematográfica do “Bando de Lobos”, criados em 2009 pela dupla de roteiristas Jon Lucas e Scott Moore.

Como no longa anterior (onde foi afirmado pelos envolvidos que se retirassem as piadas a Parte II viraria um filme de suspense) o diretor Todd Phillips (Dias Incríveis) aposta nessa interação – descontrolada – de gêneros, propagando clichês de ambas as partes. Tais características não chegam a ser uma novidade, mas são utilizadas com a intenção de galgar certo diferencial, o algo a mais que atiça a curiosidade. Não dá para dizer que aqui se atinja o intento com eficiência louvável. E apesar de evidentemente desnecessário, uma baita forçada de barra, Se Beber, Não Case! Parte III capenga, mas cumpre seu principal papel: o riso gratuito da plateia. Trazendo uma trama estapafúrdia, um fiapo de argumento, a obra também tem como parcial trunfo o entrosado elenco, além da sequência de piadas semi-prontas advindas dos longas-metragens anteriores.

A primeira cena mostra, em uma clara referência a Um Sonho de Liberdade (1994), a iminente fuga do pervertido Mr. Chow (Ken Jeong) do presídio Tailandês em que estava preso. Lembrando que ele foi capturado no final da Parte II depois de se envolver em uma transação escusa. Logo esse momento inicial demonstra que boa coisa não há de vir. Em seguida presenciamos o descontrolado Alan (Zach Galifianakis – Um Parto de Viagem) carregando no reboque de seu carro uma imensa girafa por uma movimentada rodovia. O desfecho dessa improvável situação não é dos melhores. A família aborrecida com as atitudes do mimado “homem” – e impelida por sua negação em tomar os medicamentos prescritos e também pela conclusão especialmente trágica do caso com a girafa – entra em comum acordo que apenas um ato drástico pode colocar Alan na linha: a internação em uma clínica de reabilitação. Para o plano dar certo, pensam que somente a intervenção do Bando de Lobos – Stu (Ed Helms), Phil (Bradley Cooper – O Lugar Onde Tudo Termina) e Doug (Justin Bartha) – pode ser motivadora para Alan aceitar sua condição e buscar tratamento. Com a primeira problemática resolvida, é proposto que o grupo o leve até a clinica. Em um trajeto que durará dois dias. O argumento não é muito forte, mas isso é apenas o começo.

Depondo a seu favor, Se Beber, Não Case! Parte III ainda guarda uma trilha sonora de bom gosto, repleta de hits, trazendo para a narrativa um caráter descolado e nostálgico. A inserção da canção de conotação diabólica N.I.B, da banda Black Sabbath, talvez seja um dos momentos “altos” do filme, pois combina perfeitamente com o caos herético encontrado na suíte de Vegas que vai impulsionar o desfecho do filme.

Declarando contra, a sensação crescente de uma fórmula exaurida, sem fôlego para sustentar uma obra de cem minutos. A favor, Zach Galifianakis e Ken Jeong ainda demonstram uma excelente química em cena, deles são as melhores tiradas.

Novamente contra, a ausência de uma noitada a ser relembrada, reconstruída, como nos anteriores, faz o filme perder boa parte da aura misteriosa de outrora. Tanto o personagem de Ed Helms, Stu, quanto o de Bradley Cooper, Phil, se encontram esvaziados, fazendo cara de bobo toda hora. A favor, a cena pós-créditos finais é hilária. Contra, o epílogo é sofrível.

Nessa de pensar nos prós e contras, para se apreciar essa Parte III sem grandes complicações, recomendo ir com um bocado de boa vontade. Abstrair. Somente assim será capaz de se divertir.

Classificação: BOM

[youtube video=”scvyxXmz7Nw” width=”600″]

Se Beber, Não Case! Parte III (The Hangover – Part 3)

Sinopse: Sid, o pai de Alan, falece e ele surta, ficando ainda mais louco do que de costume. Alan se torna um perigo para si mesmo e para a sociedade, e seus amigos Phil, Stu e Doug resolvem interná-lo em uma clínica para doentes mentais. Porém, no caminho, o carro é interceptado pelos capangas do perigoso traficante Marshall, que quer saber onde está Sr. Chow, que roubou US$ 21 milhões seus. Após Doug ser sequestrado como garantia, o trio de Lobos partem em uma viagem por Los Angeles e Las Vegas, além de Tijuana na fronteira com o México, para encontrar o infame Chow e pagar uma antiga divida.
Direção: Todd Phillips
Elenco: Bradley Cooper, Ed Helms, Zach Galifianakis, Justin Bartha, Ken Jeong, Heather Graham, Jeffrey Tambor, Sasha Barrese, Rachael Harris, Jamie Chung, Mike Tyson, John Goodman, Mike Epps.
Gênero: Comédia
Duração: 100 min.
Distribuidora:  Warner Bros.
 

Sobre Marcio Tarantino

Veja também:

Blade Runner 2049

Blade Runner 2049 – Denis Villeneuve honrou a obra de Ridley Scott?

Blade Runner 2049 é a continuação do filme que há 35 anos foi gravado por Ridley Scott e, agora, pelo diretor canadense Denis Villeneuve