Home / Falando Curto e Grosso / Formidável, o título perfeito para o novo filme de Michel Hazanivicius
Formidável

Formidável, o título perfeito para o novo filme de Michel Hazanivicius


Considero corajosa a iniciativa do diretor Michel Hazanavicius de retratar o icônico diretor francês Jean- Luc Godard, Formidávelpois com certeza os franceses se incomodariam vendo seu ídolo retratado numa visão ácida de Michel sobre esta personalidade. Temos aquela visão cult e intelectual de Godard e aqui no novo filme de Hazanavicius é possível dar boas risadas e ficar vidrado num filme tão criativo. Michel nos aproxima e humaniza o diretor francês conhecido por fazer parte do movimento “Nouvelle Vague”.

Hazanavicius  ( vencedor do Oscar de melhor direção em 2012 pelo filme “ O artista”) teve acesso ao livro de memórias (“Um ano depois” com título em francês   “Un na Aprés”) escrito por Anne Wiazemsky ( atriz, romancista e modelo) e ficou encantado com a história , vendo nela uma possibilidade de por nas telas do cinema algo interessante. O espectador  terá a oportunidade de ver um filme adaptado a partir de um livro , onde não haverá nenhuma revelação, mas sim a visão que Anne tinha da sua relação com Godard tão bem defendida por Michel ( Anne só liberou os direitos a partir do momento que o diretor propôs que fosse um filme de comédia).

Além de dirigir “Formidável” ele assina o roteiro, que poderia ser considerado um filme biográfico, mas acima de tudo é sobre cinema. E que filme mais delicioso onde há tantas cenas que nos pegam pela criatividade, pelo colorido e as frases do Godard são tão perturbadoras que você fica horas refletindo sobre elas, mas o mais interessante é rir de alguém que a gente vê de uma forma tão endurecida e aqui está engraçadíssimo e pesando mais para o final.

Para quem não sabe Anne Wiazemsky( faleceu este ano)  foi casada com Godard, sendo sua segunda esposa e musa (estreou em “  A grande testemunha” de Robert Bresson e durante estas filmagens conheceu seu marido). Anne atuou em sete filmes de Godard, tendo destaque em “ A chinesa”, “ Sympathy for the Evil” e “Tudo vai bem” ( e que ironia este título, pois foi exatamente neste filme e período que se divorciaram).

Em “Le Redoutable” temos a história da relação entre o diretor Godard e a atriz Anne que foram casados 12 anos. Ele com 37 anos, na época, encanta-se pela beleza e juventude de Anne. Ela com 19 anos é levada pela inteligência e o ar intelectual do diretor ( que não é um exemplo de beleza), mas tem seu charme. Estar ao lado de alguém que revolucionava o cinema é extremamente estimulante para a jovem.

O romance teve início durante as filmagens de “A Chinesa” ( 1967 ,mesmo ano que casaram), hoje um clássico, mas na época sofreu duras críticas  e desapontou os fãs do diretor. O filme era uma declaração explicita de adoração e apoio do diretor ao regime maoísta chinês.

Estaremos diante de uma mulher que vive para o marido e a maioria do tempo é obrigada a mergulhar no mesmo mundo que Godard está imerso durante os movimentos de maio de 68. Enquanto um encarava um momento da França a sério demais, a outra preferia ler revistas de moda, ir ao cinema, tomar sol e fazer sexo compulsivamente.

Após gravar este filme Godard desejou que seus novos filmes tivessem uma outra forma , ideologia e deveriam ser mais politizados e essa escolha influenciou fortemente sua personalidade.  A revolução que tomou de assalto as ruas de Paris , revolucionou também dentro dele e consequentemente  o afastou da mulher, dos amigos e dele mesmo. Por defender fortemente as ideias maoístas ele paga um preço alto por suas escolhas.

Anne é interpretada por Stacy Martin ( do filme “Nínfomaníaca”) que aqui tem o desafio de não ser apenas um rostinho bonito e mostra um crescente que a personagem pede, chegando até seu limite  num casamento complicado  ao lado de um homem machista e que criava situações de tensão quase o tempo todo.

Stacy está a verdadeira musa do “Nouvelle Vague” e acho até mais bonita que a verdadeira Anne. A beleza de Stacy fica ainda mais hipnotizante através da fotografia de Guillaume Schiffman e fico embasbacada com a perfeição do corpo e traços da atriz , além de que seu olhar por muitas vezes diz mais que um texto. Stacy nos entrega seu melhor momento ao fim da obra, quando enfim Anne decide sair de sua zona de conforto e decide dizer o que muitas não conseguem expressar para dar o fim a uma relação já desgastada.

Outra decisão acertada do direto foi em escolher Louis Garrel para interpretar Jean- Luc Godard, pois  não imaginamos que um rosto tão lindo, possa mudar drasticamente visualmente. Garrel raspou o cabelo, está quase careca, usa óculos grossos (e os perde de inúmeras formas desastrosas), não está com o corpo definido  e o sotaque do ator se assemelha ao diretor francês.

Aqui ele nos entrega uma das suas melhores atuações trazendo uma visão sarcástica e cômica sobre Godard. Godard é um prato cheio para um ator, pois ele oscila a todo instante, é chato, inseguro, egocêntrico e  ciumento, além de ser um ícone , o que fez com que o próprio Garrel  exitasse por interpreta-lo, pois é seu fã  e tem respeito por sua obra. Sua caracterização chega quase à perfeição como Godard, percebemos que ele estudou minuciosamente os trejeitos do diretor, está muito parecido visualmente, mas às vezes ele parece perder o personagem diante da tela (seria proposital ou falha da direção?).

Mas não vamos tirar o mérito, Garrel segue sendo um dos meus atores franceses preferidos , sendo um ótimo chamariz para assistir este filme.

Também acertada a decisão sobre a dupla Garrel e Stacy, pois ambos têm ótima química , estão bem dirigidos, mesmo Garrel estando horrendo em certos momentos, dá pra sentir uma invejinha boa de Stacy tascando um beijo no galã.

Não espere que seja o mesmo estilo de sua obra mais conhecida (“O Artista”), mas ainda existe uma clara homenagem do diretor a sétima arte.  “Formidável” é cheio de metalinguagens, citações interessantes (dá uma vontade absurda de anotar todas), é uma comédia inteligente, tem uma direção de arte belíssima,a nudez é retratada como um quadro sendo pintado minuciosamente, o off  do narrador sempre marcante nos filmes franceses nos dando aquela sensação de vida sendo narrada,  os clichês sendo distorcidos, a inserção de várias referências  de filmes  do diretor francês, além da riqueza visual que salta aos olhos, tudo é muito criativo e  nos dá sensação que estamos vendo um filme anos 60 sendo produzido nos tempos de hoje.

Destaque para a cena com pichações nos muros de Paris. É poesia pura na tela. A frase no muro e as palavras que Godard despeja através da atuação de Garrel é um daqueles momentos marcantes e bonitos que você agradece por existir o cinema. Não há como não rir da cena sarcástica sobre a nudez no cinema ou a própria citação de Godard (“ Você manda atores dizerem que atores são um  porre e eles dizem”) sendo dita por Garrel como se o próprio ator e diretor estivessem fazendo uma piada.

O interessante do filme é como Michel com maestria consegue nos aproximar de Godard e ter inúmeras opiniões sobre sua personalidade. Comecei o filme apaixonada como Anne e ao fim estava já com ranço daquele homem chato.

“Le Redoutable” significa o formidável ou temível . A curiosidade é que no filme é citado o submarino batizado com nome de “ formidável” que foi o primeiro submarino francês de propulsão nuclear e que lançava mísseis. Godard era assim, como este submarino, e não seria fácil estar submerso nas profundezas das águas como ele ficava. Cada palavra dele era como um míssel e era uma pessoa de difícil troca e acesso.  É assustador ver o quanto uma pessoa pode mudar radicalmente a partir de uma ideia que ela defende tanto e como isso pode atingir drasticamente uma relação.

Godard é um homem formidável que ao longo do filme se torna temível. Estamos diante de um homem que não consegue fugir da sua verdadeira essência e que acredita ter encontrado seu verdadeiro caminho no ativismo político. O mergulho de Godard nesta nova vida é tão profundo que resulta num abismo que vai aumentando entre o casal.

O homem que tinha charme não existe mais e isso faz com que Anne vomite um “eu não te amo mais”. Se preparem para ver diante da tela um relacionamento que se evapora, onde as questões  e buscas pessoais se sobrepõem ao amor.

Formidável é um dos filmes mais gostosos que vi este ano. É filme que veria novamente e é daqueles filmes que dá vontade de ter participado. Sigo gostando do que Hazanivicius segue trazendo para o cinema e o quanto acho fascinante as obras de Godard, mesmo ele tendo perdido a mão sobre suas obras. Com certeza se Godard assistir ele não vai gostar, mas quem agradou Godard até hoje?

Sobre Fernanda Petit

Atriz há 16 anos, apaixonada por cinema. Filha do gerente do ex-cinema Marrocos.

Veja também:

bom comportamento

Com Bom Comportamento, Robert Pattinson apaga sua imagem de teen idol

Estão preparados para um filme que não há tempo para respirar? Saí da sala do cinema com dor de cabeça e enjoada, tamanho o “giro” que é Bom comportamento.