Home / Devaneios Ocultos / Inocentes olhos verdes

Inocentes olhos verdes

Moeda egípciaIvan não era o tipo de rapaz popular no seu trabalho. Todos os dias ele chegava ao escritório de engenharia, cuidava dos projetos sob sua responsabilidade e voltava para casa. Solteiro por opção, como ele dizia, não costumava sair muito. Sua única atividade era a academia de musculação, mas não era do tipo “bombado” e seu corpo definido aguçava a libido até mesmo das mulheres mais recatadas.

Durante os primeiros anos na empresa, ele foi apaixonado platonicamente por Aline, que com seu cabelo castanho claro comprido, pele branca, rosto angelical e olhos verdes, nem precisava ter o corpo voluptuoso que tinha. Ela chamava a atenção de todos não só pela beleza, mas também pelo seu carisma. Os dois formariam um casal muito bonito que provavelmente gerariam lindas crianças.

Era manhã de segunda-feira e Ivan fazia sua caminhada matinal antes do trabalho. No caminho pelo parque, viu uma mulher que caminhava no sentido contrário. Quando estavam próximos de cruzarem, houve um gesto de cabeça por parte da senhora – nesse momento era possível ver que a mulher tinha uma idade avançada – que mostrava um interesse em falar algo.

Ivan parou e a senhora na sua frente pediu um pouco de água. Ele entregou sua garrafa e após grandes goladas a mulher lhe devolveu com água pela metade. Ela lhe entregou uma moeda e disse que era como forma de agradecimento. A moeda possuía, em uma de suas faces, escritas egípcias e, na outra, uma imagem da deusa Isis.

– Obrigado. É muito bonita, mas não posso aceitar. Foi apenas um pouco de água – disse Ivan.

– Não foi não e você deve aceitar. Essa moeda é mágica e sempre que invocar o nome de uma mulher que conheça você, ela irá lhe desejar. Use-a no bolso ou em algum lugar próximo – respondeu a mulher enquanto colocava novamente a moeda na mão de Ivan e fechava os dedos do rapaz em direção ao pulso.

A mulher já estava caminhando no sentido oposto quando Ivan abriu a mão e viu o quanto a moeda brilhava. Ele olhou novamente para a mulher, que já estava longe, e percebeu que ela parecia mais jovem e disposta enquanto sumia da sua vista.

Foi inevitável lembrar-se de Aline e da possibilidade de concretizar o seu desejo platônico. Mas decidiu que faria um teste primeiro. Ivan pensou em Roberta, a estagiária gostosa e extremamente insuportável do escritório.

Naquele dia, ao chegar ao trabalho, a estagiária já estava pipocando pela sala e sendo alvo dos desejos mais lascivos de todos, inclusive de algumas mulheres. Ele fez o que foi orientado e aguardou. No meio do expediente, Roberta se aproximou e perguntou:

– Precisa de alguma coisa Sr. Ivan? – disse a linda jovem enquanto passava a mão no cabelo.

A vontade de Ivan foi responder, “sim, de você”, mas ao invés disso respondeu:

– Você pode tirar uma cópia desses documentos? E me passar o número de seu telefone para eu lhe ligar a noite?

A jovem sorriu, pegou os documentos e foi na direção da máquina Xerox. Ivan pensou “porcaria de moeda, me fez pagar um mico”.

Minutos depois Roberta retornou à mesa de Ivan e lhe entregou os documentos juntamente com suas respectivas cópias. Ele conferiu, agradeceu e voltou ao trabalho, um pouco sem graça. A estagiária sorriu novamente e continuou seu trabalho. Ao organizar os documentos, um pequeno papel caiu e nele estava um número de telefone.

Roberta foi só a primeira de várias com quem Ivan se relacionou nos seis meses que se passaram.

Mas uma coisa iria mexer com a mente do rapaz. O retorno de Aline. Ela estava trabalhando num projeto em outro estado e por isso ficou longe do escritório por vários meses.

Então o mundo de Ivan mudou. Ele havia feito uma pesquisa sobre a moeda e aprendido a usar. Descobriu que a tal magia só funcionava por um determinado período, o que para ele, até aquela altura, estava de bom tamanho. Só que agora o amor da sua vida estava ali na sala e não queria usar de nenhuma magia para conquistá-la.

A fama de Ivan, o conquistador, rolou por todas as áreas da empresa e, naquele momento, Aline também sabia. As mulheres sempre são curiosas, e ela pensava “o que será que mudou para ele ficar assim?”, então ela decidiu puxar assunto e ver o que estava acontecendo.

Eles conversaram por um bom tempo. Almoçaram juntos e se divertiram muito. Naquela mesma noite ainda fizeram um happy hour. Ivan olhava apaixonado para aqueles olhos verdes e ela para o corpo sarado e agora bem experiente dele.

O rapaz, que não tinha usado a moeda com Aline, decidiu que iria se desfazer do artefato. Percebeu que tudo estava acontecendo de maneira natural e, naquela noite, jogou a moeda fora, pois estava muito feliz por ter conquistado a garota dos seus sonhos.

Durante meses eles namoraram, até que decidiram noivar e dois anos após já estavam casados e felizes.

Nada poderia ser mais perfeito na vida de Ivan. A linda garota de olhos verdes agora era sua linda esposa. Os planos de filhos começaram a rolar nas conversas do casal e depois de uma noite de muito amor, sexo e paixão, ambos tomavam banho.

– Eu sou o homem mais feliz do mundo – disse Ivan dando um beijo na sua esposa e saindo do box para pegar a toalha.

– Eu sou a mulher mais feliz do mundo – respondeu Aline enquanto desembaçava o vidro do box.

Ivan estava no quarto se arrumando e Aline saiu enrolada na toalha. Ela mexia em sua gaveta de roupas íntimas enquanto Ivan admirava a beleza da moça.

Ele realmente estava feliz, o casal estava feliz.

Com um movimento brusco, Aline puxou seu pijama da gaveta e no mesmo instante deixou cair uma caixa. Ivan acompanhou a queda da pequena caixa rosa, que tinha um “A” escrito com tinta prata.

A caixa bateu no chão e se abriu. Um objeto rolou até os pés de Ivan.

Era uma moeda egípcia.

* Foto do banner de Jeanne de Oliveira

Sobre Michael Santos

Professor por paixão. Analista de TI pela situação. Quando escrevo, me divirto. Adoro filmes e livros de terror (especialmente Stephen King). Amo viajar e sou louco por montanhas russas.

Veja também:

Brinquedoteca

O caminhão de mudança estacionava na rua estreita da casa de Karina. A nova casa, …