Home / Falando Curto e Grosso / A Morte te dá Parabéns é Feitiço do Tempo em modo suspense

A Morte te dá Parabéns é Feitiço do Tempo em modo suspense


Litros de sangue esguichando, tripas pulando para fora de corpos e situações gore que testam o estômago de quem está assistindo? A Morte te dá ParabénsSe você espera ver isso, escolha outro filme, pois A Morte te dá Parabéns do diretor Christopher Landon, o mesmo de Como Sobreviver a um Ataque Zumbi e Paranormal, não tem nada disso.

O filme conta a história de Tree (Jessica Rothe), uma jovem universitária presa no tempo, revivendo as mesmas 24 horas dia após dia.

Tudo começa na manhã do seu aniversário, quando acorda no dormitório de um garoto Carter (Israel Broussard). Primeiro, ela pensa estar vivendo uma espécie de déjà-vu, descobrindo logo que não, dando início à caçada atrás do seu assassino, um homem que usa uma máscara de bebe.

Filme vendido como terror, que o espectador logo percebe não se tratar. Ele é um suspense com muitos clichês, com trilha exagerada e boa técnica de iluminação provocando alguns sustos. E tem comédia também – para quem viu Feitiço do Tempo, (Bill Murray) matará a charada.

Boas  atuações,  mas nenhuma que mereça destaque, apenas Jessica Rothe convencendo como uma  típica garota de colegial dos EUA: loira, linda, que adora se divertir, começando o longa sendo algo próximo da Regina George de Meninas Malvadas que vai se tornando uma pessoa melhor com as adversidades.

Vindo de Christopher Landon, eu esperava mais!

É um filme para assistir naquele dia que você vai ao cinema desprendido. Olha para os cartazes e pensa: Que filme vamos ver hoje?

Se a intenção for essa, serão 96 minutos para dar risadas e questionar:

E se todo dia você acordasse após sua morte e não entendesse qual a razão de ainda estar vivo?

Sobre Rose Canal

Atriz formada na escola de Teatro Porto Alegre e com vários cursos de cinema e teatro. Amante das artes, da música, fiz pontas em filmes e mini séries.

Veja também:

Assassino

O Assassino: O Primeiro Alvo é mais um clichê americano

Em O Assassino: O Primeiro Alvo, Hollywood ainda não sacou que esse tipo de paródia é um saco. Não queremos mais do mesmo.