Home / Vá ao Teatro / Musical “Mudança de Hábito” chega arrasando

Musical “Mudança de Hábito” chega arrasando


mudança de habito cartazEstreou na última quinta-feira, dia 5 de março, a divina comédia da Broadway “Mudança de Hábito” (“Sister Act”), uma produção da Ticket 4 Fun, em parceria com Whoopi Goldberg e Stage Entertainment, no Teatro Renault, em São Paulo.

O filme eternizado por Whoopi Goldberg há 23 anos e conhecido por milhares de brasileiros, afinal de contas a Sessão da Tarde nos presenteia com este filme de tempos em tempos.

O filme e, consequentemente, o musical conta a história de uma cantora de Cassino, Deloris Van Cartier, que namora o dono do local e que por acaso, ao fim de seu turno, acaba presenciando um assassinato cometido por seu então namorado.
Com medo de ser preso, Curtis decide por matar Deloris, que ao contar o ocorrido a policia é colocada sobre proteção por Eddie Souther, agente do FBI. E o local onde Deloris se esconde é onde, com certeza, jamais seria procurada. Trocando suas roupas e estilo pelo hábito comum das freiras já residentes, ela se torna mais uma moradora do convento Saint Katherine e adota um novo nome: Irmã Mary Clarence.
Mas a partir daí com seu jeito nada religioso de ser, Deloris começa a incitar mudanças no convento, fazendo com que o coro habitual de domingo dance e que as freiras se divirtam cantando. Com tudo isso Deloris arruma muitas desavenças com a Madre Superiora que pensa em expulsa-la, as quando tem uma reunião com o reverendo, este diz que por conta da nova forma de cantar o coral tem chamado muita atenção trazendo assim muita gente à igreja.
E é justamente por conta de muito burburinho em torno do convento, que a Irmã Mary Clarence fica em evidência, passando em programas de televisão e assim é rapidamente localizada pelos capangas de Curtis.

Na segunda-feira, dia 2, estivemos no Teatro Renault para a coletiva de imprensa e onde nos foi apresentado três atos do musical. Em ordem cronológica assistimos “Se eu achar você”, onde Deloris presencia o assassinato e logo em seguida jurada de morte. O segundo ato “Pro paraíso” já mostra Deloris no convento, onde de cara deixa seus toques de soul e funk contagiarem as irmãs do coral, logicamente a contra gosto da Madre Superiora. E tivemos o prazer de assistir ao ato “Espalhar o Amor” que é simplesmente um grand finale de pura magia, com direito a muito brilho.

Após estas passagens tivemos uma conversa com a protagonista Karin Hills, a nossa eterna Rouge, e também com as equipe técnicas brasileira e internacional, com a mesa composta por Stephanie Mayorkis, diretora e produtora da T4F, Fernanda Chammas, coreógrafa residente e Vânia Pajares, diretora musical, mais a equipe de associados Steve Beckler, diretor e Francis Chiapetta, coreógrafa.

Um ponto que foi muito comentado foi à questão das performances na rua, onde as personagens invadiram a cidade, passando por pontos como Ladeira Porto Geral, 25 de Março, Mercadão Municipal entre outros, e a equipe técnica disse que o retorno foi maravilhoso.

Sobre as exigências impostas sobre o espetáculo, se a Whoopi havia deixado pontos marcados, e se a prosódia deveria se manter no texto falado, é prontamente respondido pela própria Deloris, Karin Hils:

“E bem difícil, mas sim respeitamos todas as métricas impostas, eles (equipe americana) estão há muitos anos luz na nossa frente, e temos que reconhecer, a produção foi comprada magnífica, e tivemos que trazer isso tudo para o cômico do brasileiro”.

Fernanda Chamma:

“Foi um desafio maravilhoso dirigir um elenco brasileiro e com músicas traduzidas, claro que com algumas adaptações, afinal tivemos que trazer o lado cômico pra nossa realidade”.

Stephanie Mayorkis:

“Como a Karin falou, quando recebemos um espetáculo original, temos nas mãos produções imensas, de sucesso reconhecido no mundo inteiro e, neste caso, é um espetáculo magnífico, e assim provamos que só estamos evoluindo e desenvolvendo muitos talentos pra este mercado”.

Nesta questão, dos espetáculos americanos estão à frente dos nossos, tive que discordar da Karin e isso em concordância com diversos produtores artísticos, coreógrafos e diretores a qual já conversei. Nossos espetáculos não ficam devendo em nada às produções estrangeiras, ao contrário, já se encontram no mesmo patamar.

Como dito por Gleu Tibério (Produtor Cultural):

“O público vai ao teatro e já espera boa qualidade cênica, cenográfica, técnica e vocal. O mercado e o público estão mais exigentes”, e já tivemos momentos em que nos palcos brasileiros tínhamos mais espetáculos atuantes do que nos palcos da Broadway, portanto estamos crescendo a cada dia, nos tornando autossuficientes, podemos dizer assim, afinal em 2014 entramos com 3º no ranking de produções teatro-musicais, ficando atrás de Londres e Estados Unidos.

Karin também responde sobre a responsabilidade de fazer Deloris e de sua rotina vocal:

“É emocionante demais fazer um papel de tão grande responsabilidade, e emocionante pra muitos brasileiros também. Desde que eu soube, eu me vi na responsabilidade de fazer a Deloris, graças a Deus estou aqui. E sobre minha preparação, é a clássica de ensaios de 12 ou 13h por dia, e quando não, estou aquecendo com fonoaudiólogos, otorrinos e demais profissionais, que me auxiliam o tempo todo. Afinal, para fazer musical não é fácil, pois não fazia musical a mais de um ano e eu estava sem condicionamento nenhum para isso. Então tive que começar do zero, mas cá estamos, e vai ser tudo muito bom.”

Sobre a visão e retorno esperado do publico católico, Karin responde: “Ah, tomara que seja boa, quando vemos o amor e a alegria, então Deus está na frente, então eu espero que eles recebam de maneira positiva e, claro, serão sempre bem vindos.”.

Também falamos com Steve e Francis, estes que dizem ter adorado trabalhar com elenco brasileiro, pois são altamente competentes, e mesmo que em meio a algumas dificuldades se ajudavam mutuamente e sempre com sorriso no rosto.

Aproveitei também para matar a saudade de um papo muito rock and roll com a queridíssima Vania Pajares, coreografa residente do espetáculo.

Ela me diz:

“Tivemos uma versão primorosa, adaptar as musicas mantendo na medida do possível a comédia e as prosódias foram tudo muito bem concebido, as adaptações foram necessárias para segurar o bom humor do brasileiro”.

“A escolha das freiras foi de grande exigência, todas cantam extraordinariamente bem, tem muita técnica sendo este musical em si muito difícil. É muito milimétrico, afinal dançar de hábito já não é nada fácil (risos).”

Por aí podemos ver que o trabalho de Vania não foi fácil mesmo.

E claro que não pude deixar de ressaltar que esta foi mais uma produção em parceria com a Stephanie Mayorkis e creio que por aí venham mais surpresas destas duas. Se preparem.

E claro voltando à Karin Hils, a pergunta que não poderia faltar a nossa Deloris é se houve em sua vida houve mudança de hábito?

Onde ela responde: “Sim, fato! Tô focada 100 % vida social, amorosa, só depois que vamos relaxar…”.

Clique nas imagens para ver em tamanho maior 😉

E se eu achar você

Espalhar o amor

Pro paraíso

Serviço
 “Mudança de Hábito”
Quando: A partir de 5 de março de 2015
Sessões: Quintas e Sextas, às 21h, Sábados, às 17h e 21h, e Domingos, às 16h e 20h.
Onde: Teatro Renault – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista, São Paulo – SP
Quanto: De R$ 25 a R$ 260

Quintas, às 21h
Plateia Premium: R$ 240 (inteira) e R$ 120 (meia)
Camarote: R$ 200 (inteira) e R$ 100 (meia)
Visão Parcial Balcão B: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)
Camarote / ZZ: R$ 200 (inteira) e R$ 100 (meia)
Plateia A: R$ 200 (inteira) e R$ 100 (meia)
Plateia B: R$ 170 (inteira) e R$ 85 (meia)
Balcão A: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia)
Balcão B: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Sextas às 21h / Sábados às 17h e 21h / Domingos às 16h e 20h
Setor Premium: R$ 260 (inteira) e R$ 130 (meia)
Camarote: 220 (inteira) e R$ 110 (meia)
Visão Parcial Balcão B: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)
Camarote / ZZ: R$ 220 (inteira) e R$ 110 (meia)
Plateia A:  R$ 220 (inteira) e R$ 110 (meia)
Plateia B:  R$ 190 (inteira) e R$ 95 (meia)
Balcão A: R$ 110 (inteira) e R$ 55 (meia)
Balcão B: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Classificação etária indicativa: Livre. Menores de 12 anos: permitida a entrada (acompanhados dos pais ou responsáveis legais).

Sobre Camila Phoenix

Mãe, Esposa, Cristã, Professora, Amante nipônica, Apaixonada por filmes, Curiosa por natureza, Fala pelos cotovelos e Escreve com a Alma.

Veja também:

Os Três Porquinhos

Peça Teatral Os Três Porquinhos e o Lobo chega no Clube Atlético Aramaçan, em Santo André

Acontece neste sábado, 22 de julho, no Clube Atlético Aramaçan, um especial de férias para as crianças. Com espetáculo infantil Os Três Porquinhos e o Lobo