Home / Saúde e Comportamento / Ser humano: essencialmente bom ou instintivamente ruim???

Ser humano: essencialmente bom ou instintivamente ruim???

Sexta-feira passada esqueci meu roupão no vestiário da academia. Um roupão comum, destes que usamos pra sair da piscina na aula de natação. Hoje, quando voltei lá e perguntei se alguém tinha encontrado e entregado me falaram que não. A pessoa que encontrou não foi capaz de devolver um simples roupão usado.

Isso me fez pensar como vivemos num mundo sem princípios. Quais os valores dessa nossa sociedade? E mais fundo… O ser humano é essencialmente bom e se desvirtua para o lado ruim ou ele é essencialmente ruim e vai agregando valores para se tornar melhor ao longo da vida???

Já pensei muito sobre isso e eu me filio à segunda corrente. Acho que o ser humano nasce egoísta, cruel e malvado e vai evoluindo. Tomem por base os bebês e as crianças de tenra idade, e deixem de lado a parte sentimental da coisa. A criança é egoísta, cruel e não pensa duas vezes em usar seus instintos e armas para conseguir o que quer. Bate, arranha, morde e não quer dividir o que é seu e quer tomar o que é do coleguinha. Aprendemos que isto é feio e errado porque assim somos ensinados e vamos aprendendo com o passar do tempo a respeitar o próximo e a discernir o certo do errado, deixando, ou tentando deixar pra trás nossa má índole.

Pra mim nós passamos dia após dia das nossas vidas tentando superar ou mesmo vencer esse nosso ser irracional, este ser que habita dentro de nós e que vez ou outra aparece, principalmente quando somos levados por algum motivo aos extremos do nervosismo ou do estresse e que traz à tona o pior de nós. Este ser que nos mostra que somos capazes de maldades ou de atos violentos em nome de nossos desejos ou mesmo pra defender algo ou alguém que achamos ser nosso.

A grande maioria das pessoas consegue refrear estes instintos, uma parte das pessoas não… Essa pessoa que achou o meu roupão com certeza sabe que deveria devolver e que não é correto ficar com algo que não lhe pertence, mas provavelmente a sensação de estar se beneficiando e de levar vantagem sobressaiu e ela não refreou esse desejo de se apoderar de algo que é do outro, sem se preocupar se isto traria ou não algum mal pra outra pessoa.

Daí podemos levar nosso raciocínio um pouco mais além e pensar que sempre, desde os primórdios da civilização, o ser humano vive em função de se beneficiar, guerreando e matando para conquistar território e poder, passando por cima de quem quer que seja pra conseguir seus objetivos. Antigamente as disputas por terra, hoje os roubos de tênis da moda, só pra citar um exemplo banal.

Será que hoje em dia isso é diferente? Ou será que dadas as devidas proporções continuamos a fazer o que os reis, senhores feudais e conquistadores faziam antigamente mas de outra forma?

Hoje somos políticos e sabemos que pra conseguir o que queremos e pra nos beneficiar não é legal usar a força bruta, descobrimos o poder da manipulação, que é uma arma tão perigosa quanto a espada usada lá atrás pra cortar cabeças.

E aqui voltando aos bebês… qual é a primeira coisa que um bebê descobre??? Que se ele chorar logo alguém vem correndo até ele e faz o que ele quer. O que é a manha infantil senão a criança manipulando os pais???

Sim, somos manipuladores por natureza. Alguns preferem pensar que são estrategistas, sagazes ou mesmo espertos. Dói menos… mas no fundo, no fundo somos é manipuladores.

Se alcançamos algum grau de poder, pensamos primeiro em nos beneficiar pra depois, e só depois ajudar o outro. Se nos vemos em situação de perigo, primeiro salvamos a nossa pele, depois a do outro. A lei permite que se mate o outro se disso depender a sua sobrevivência. Aliás, aqui cabe um aparte. Vocês sabiam que o homicídio é o único crime que qualquer, e eu disse QUALQUER pessoa está sujeita a cometer? Sabem porque? Porque pra matar alguém não precisamos ser pessoas más, basta que deixemos aflorar nossos instintos. E a lei sabe disso mais do que ninguém.

Quantos impulsos violentos, ou agressivos, nós temos ao longo do dia? Quantas vezes temos que parar e contar até mil pra não explodir e não resolver as coisas na força bruta?  Quanto é difícil saber lidar com as frustrações e entender que não podemos ter tudo o que queremos? Quantas vezes perdemos a cabeça e tomamos atitudes impensadas e impulsivas das quais nos arrependemos depois?

Será que nós somos o que somos nos momentos de impulso ou somos o que somos no momento que nos controlamos?

Eu acho que nós somos o que está no nosso íntimo somado ao que aprendemos ao longo da vida. Temos que aprender a lidar com os sentimentos que queremos deixar escondidos debaixo do tapete, pois eles fazem parte de nós e nos dar por satisfeitos todas as vezes que a nossa razão vencer os nossos instintos irracionais, mas nunca perder de vista que devemos fazer um trabalho diário com nós mesmos a fim de sermos capazes de colocar na balança os nossos desejos instintivos e o direito do próximo e achar um meio termo saudável.

Será que eu sou radical demais? O que você pensa sobre isso? Acha que o ser humano é essencialmente bom ou instintivamente ruim????

E vamos aos debates…..

Lista de Posts recentes:

[PTP]posts[/PTP]

Sobre viviane_navarro

Veja também:

Líder em cosméticos naturais, orgânicos e veganos estará na 11ª Beauty Fair

Entre os dias 05 e 08 de setembro a Surya Brasil estará presente na 11ª …