Home / Cultura e Entretenimento / Sexta-feira 13: Melhor de Três – 13/07

Sexta-feira 13: Melhor de Três – 13/07

Sexta-feira 13. Vamos para a terceira do ano na Melhor de Três.

Relembre as anteriores aqui e aqui.

Neste post especial, decidi mostrar o que há de terror nas produções nacionais. E olha que tem muita coisa legal e bem produzida. Eu encontrei quatro filmes, que muitos já podem até conhecer.

Espero que gostem e até o ano que vem, com mais Sextas 13. Divirtam-se!!!     

 [separator type=”lightning”]

Capital dos Mortos

“A Capital dos Mortos” foi um projeto 100% independente. A idéia inicial veio em 1999, sem um centavo para começar a produção. Então, o diretor Tiago Belotti começou a juntar dinheiro para poder comprar equipamento e financiar o filme. Sete anos depois, em fevereiro de 2006, a jornada começou. No inicio havia apenas uma câmera emprestada, alguns refletores, um roteiro e praticamente mais nada. Faltava um produtor. A adição de Rodrigo Luiz Martins no cargo deu ao filme o elemento que ele precisava pra começar. Aos poucos, novos voluntários foram se juntando à equipe e o longa estreou em 2 de maio de 2008.

SINOPSE: No ano de 1883, em Turim, na Itália, o padre Dom Bosco teve um sonho-visão sobre a construção da cidade de Brasília. Foi-lhe dito também que a raça humana estava prestes a ser testada, e que a cidade prometida seria o palco do evento. Dom Bosco foi avisado de que no dia de sua morte, um processo de três gerações de sessenta anos começaria. Nas duas primeiras gerações, as atitudes dos homens seriam avaliadas, e sentenciadas 120 anos depois. A Capital dos Mortos começa no início da terceira geração, e segue a história de um grupo de amigos (a maioria fã de filmes de zumbis) que ironicamente percebe que a cidade está sendo tomada por essas criaturas apocalípticas, e tenta desesperadamente estruturar um plano para sobreviver.

SITEhttp://www.acapitaldosmortos.com.br/

 [separator type=”lightning”]

Era dos Mortos

Planejado durante longos 9 meses (em que o roteiro foi reescrito inúmeras vezes, e muitos teste de efeitos foram realizados), o filme foi completamente construído para ser barato. Tudo foi minuciosamente adequado aos recursos que a equipe tinha disponível. Sem correr o risco de que alguma cena crucial fosse impossível de ser filmada. Todo o planejamento ajudou o filme a ser feito (a preço de banana), e a ter um resultado final bastante aceitável.

A divulgação do filme seguiu o lema: “Assista, seja como for!”. Tanto que no próprio DVD é incentivada a cópia do mesmo, e distribuição de piratas! (Obs. Não há lucro nas vendas do DVD, o valor é o custo para fabricá-lo).

Teve estréia no dia 06/05/07 na cidade de Santos Dumont/MG.

SINOPSE: Durante uma epidemia de zumbis, seguimos a trajetória de um cara e das pessoas que ele encontra pelo caminho. Só que eles não formam um grupo de sobrevivência e se ajudam, na verdade acontece o contrário.

 [separator type=”lightning”]

Mangue Negro

“Mangue Negro” é um daqueles filmes que conquista uma aura especial por lançar um olhar brasileiro sobre um tema inusitado no cinema nacional. O trabalho de estréia do capixaba Rodrigo Aragão é um filme de zumbis que se passa nos manguezais do Espírito Santo.  O diretor fez uso de animatronics (animação com recursos mecânicos) na produção, com orçamento estimado de R$ 50 mil e rodado nos manguezais do Espírito Santo. O filme fez parte da seleção oficial do Festival Sci Fi de Londres.

SINOPSE: Certo dia, em uma comunidade de pescadores e catadores tão pobre quanto fora do tempo, a natureza resolve mostrar seu lado macabro. Do manguezal de onde sai o mísero sustento emergem zumbis canibais. Ninguém sabe o que causa a “contaminação”. O que importa é fugir e sobreviver para fugir de novo. A cada mordida, pais, amigos e irmãos se transformam em criaturas abomináveis. Diante de um horror que não recua nem com a claridade do dia, que não poupa sequer peixes e crustáceos, um sobrevivente relutante e amedrontado se descobre hábil com o machado – e péssimo na hora de se declarar para a morena que faz seu coração bater.

SITE: http://www.manguenegro.com/Default.aspx

 [separator type=”lightning”]

O Turno da Noite

Paulista criado em Osasco, André Vianco começou a escrever profissionalmente para a rádio Jovem Pan na seção de humor. Leitor assíduo, Vianco foi influenciado pelas obras de Stephen King e Eiji Yoshikawa. Escritor de sucesso, André já lançou 16 livros e O Turno da Noite (dividida em três volumes) é a continuação das obras Os Sete (2000) e Sétimo (2002).

O piloto de “O turno da noite” destina-se a TV e internet e foi desenvolvido e produzido pela produtora Criamundos em colaboração com as produtora M.3 e 7 Visual Solution e também com a colaboração dos atores que se colocaram a disposição, com muita vontade, para que “O turno da noite” saísse do papel em literatura, do papel em roteiro, para a imagem em movimento nessa obra audiovisual bancada pelo autor André Vianco.

SINOPSE: O Turno da noite surgiu para agitar o submundo. Quatro vampiros recém-trazidos para a vida noturna são atraídos por um vampiro ancião que vive em São Paulo. Ignácio oferece proteção e ensinamentos para os novatos em troca de suas habilidades para lutar contra o crime organizado. Uma mistura explosiva que vai sacudir a cidade e mergulhar o leitor em suspense, ação e muito mistério. Vampiros, lobisomens e anjos se misturam num conflito onde não sabemos ao certo quem é herói ou bandido.

SITEhttp://blogdovianco.com/

 

Lista de Posts recentes:
[PTP]posts[/PTP]
 

 

Sobre Emerson Lara

Cinéfilo. Colecionador de filmes, séries, quadrinhos, action figures. Fundador e Editor chefe do Central 42.

Veja também:

Experiência Alice

Venha mergulhar com a gente na exposição Experiência Alice

Está aberta ao público a exposição Experiência Alice no Shopping JK Iguatemi e tivemos a oportunidade de conferir com antecedência o que está por vir.